Boa tarde, quinta-Feira, 25 de Julho de 2024
Casa do Ceará

Imprima




Ouça aqui o Hino do Estado do Ceará



Instituições Parceiras


































:: Jornal Ceará em Brasília


::Odontoclínica
Untitled Document

Agosto 2009

Cearense anônimo, mas nem tanto


Quando o presidente Juscelino decidiu construir a capital do pas no planalto central, muitos cearenses se animaram com a oportunidade para mudar de vida. Pedreiros, carpinteiros, ajudantes de obra, agricultores, comerciantes, fotgrafos, profissionalmente de 64.314 mil candangos que trabalharam o contingente de .64.314 mil candangos que trabalharam febrilmente na construo da cidade.

A maioria sada do Nordeste, principalmente Cear, Maranho e Piau. De minha cidade, Ibiapina, ainda menino acompanhei a sada de nibus e caminhes. A fora jovem do interior do estado transportada em pau-de-arara, sem o menor conforto. Dias e dias de viagem em estradas esburacadas em busca do desconhecido. Deixaram com as famlias a esperana de um dia poder cham-las para morar na cidade que ainda nem existia.

Vi meu tio Osas saindo com os dois filhos mais velhos. Lembro tambm do dia em que voltou para pegar a famlia. Vestia cala cqui de brim e calava botas de canos longos, sujas de poeira, que ele dizia ser da obra. Quando cheguei aqui alguns anos depois ainda senti a poeira de Braslia, vermelha e fina, que o vento levantava em redemoinhos e espalhavam por toda parte.

A saga desses operrios em construo no foi fcil. Acomodaes precrias, trabalho diuturno, sem conforto, sem diverso.

O encarregado da construo, Israel Pinheiro disse um dia que a obra que deu mais trabalho foi a do Congresso Nacional. A sede do Poder Legislativo quase uma cidade. Cmara e Senado com seus blocos de 28 andares em forma de H tinham tantos operrios, que para transmitir as ordens foi instalado um sistema de alto falante. Depois das coordenadas e mensagens sobre turnos de trabalho, distribuio de tarefas, os engenheiros mandavam tocar msica clssica para diminuir o estresse, acalmar os nimos. Faltando poucos dias para a inaugurao, Israel Pinheiro entrou em pnico, com medo que a obra no ficasse pronta. Foi quando teve a idia de tirar a msica clssica e colocar no sistema de som o tico-tico no fub, de Zequinha de Abreu. A todo mundo passou a trabalhar no ritmo animado do chorinho e o Congresso foi inaugurado junto com os outros prdios.

O que mais atrapalhava a permanncia em Braslia era a Saudade do Cear, dos parentes que l ficaram. O jornalista Clemente Luz veio de Minas e ganhava a vida escrevendo cartas para as namoradas, noivas e esposas dos candangos. Arranjou uma mesa e um tamborete e ficava na Cidade livre, perto do mercado, anotando (e s vezes melhorando) o que eles lhe ditavam, reproduzindo o sentimento puro e verdadeiro daqueles homens iletrados. -"Mulher contava Clemente Luz- j sa do alojamento e agora estou morando Numa casa fiz com duzentas sacas de cimento". A mulher no pensou duas vezes. Vendeu tudo que tinha e se mandou para Braslia. Tamanha foi surpresa quando descobriu que a casa existia, s que de papelo, construda com 200 sacas de cimento vazias. Um barraco que lhe serviu de Abrigo, a ela e aos filhos, enquanto durou a obra.

Nos 50 anos da cidade, fala-se com justia em JK, no urbanista Lcio Costa, no gnio imortal de Oscar Niemeyer, no paisagista Burle Marx, em Israel Pinheiro, Bernardo Sayo e nos milhares de candangos, os verdadeiros heris dessa epopia. Quem so, quantos foram? No h registro dos nomes. Trabalhavam para empresas de construo que trocaram de dono, de cidade ou j no existem.

Passado meio sculo, uns tantos j morreram, outros voltaram para o Cear, mas alguns ainda esto por aqui, annimos, vivendo numa das 30 cidades satlites do DF, onde curtem as lembranas do tempo em que tudo comeou e do duro que deram para erguer a cidade monumento. .

Mas como soldados na guerra, viraram heris annimos. Seu feito de bravura que garantiu a vitria final, e hoje histria compartilhada apenas pelos familiares, os amigos mais ntimos. Como na guerra, o heri annimo que saiu do Cear e veio com toda a sua energia misturar seu suor a cimento, cal, pedra e tijolos, para transformar isso tudo em Braslia, lembrado hoje no principal logradouro da capital. Ao sacrifcio dos que trabalharam na construo.

Est l na Praa dos Trs Poderes, quase em frente ao Palcio do Planalto, a escultura em bronze do artista plstico Bruno Giorgi, altiva e esguia nos seus oito metros de altura. Ele a batizou de Guerreiros. O povo veio por trs e apelidou de Dois Candangos, numa homenagem simblica ao sacrifcio dos que trabalharam na construo.

Ela a lembrana permanente dos cearenses sem medo, que largaram seu cho rumo ao Planalto Central atendendo ao apelo de JK, sonhando com o Eldorado, a terra prometida onde jorrava leite e mel como no sonho de Dom Bosco. O cearense candango sem nome, mas que deixou em Braslia a marca de sua mo e de sua esperana.

(*) Wilsom Ibiapina (Ibiapina), jornalista

 

 

Untitled Document

Wilson Ibiapina
Jornalista

                                            


:: Outras edições ::

> 2017

– Outubro
Cearês

– Setembro
Um cearense longe de casa:Debaixo de chuva, frio e neve

> 2015

– Novembro
Capado, mas muito macho

– Outubro
Capado, mas muito macho

– Setembro
Os chefes cearenses

– Agosto
Morreu Orlando Orfei Os Circos que alegraram nossas vidas

> 2014

– Setembro
Carlos Augusto, Ava Gardner e Fernando César

– Agosto
A praça é do povo como o céu é do Condor

– Julho
Rui Diniz, um português bem brasileiro

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Maro
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2013

– Dezembro
O Lançamento do livro do Bartô em ritmo de Facebook

– Novembro
Você ainda tem vergonha de pedir uma cachaça?

– Outubro
Ivanildo Sax de Ouro

– Agosto
A Imprensa nossa de cada dia

– Julho
No Ceará é Assim

– Junho
Lembrando Tarcísio Tavares

– Maio
Os Paraquedistas da Política

– Abril
Zé Tatá, esse era macho

– Maro
A cidade de Ibiapina está sendo tombada

– Fevereiro
O Adeus a Flávio Parente

– Janeiro
Gente que nunca morreu nem tem inveja de quem morre

> 2012

– Dezembro
-Oscar Niemeyer, o Amigo solidário que tinha medo da morte

– Novembro
-O uso do chapéu por cearenses A Elegancia do Chapéu

– Novembro
-Um paraibano que amava Sobral

– Outubro
-Operário da Justiça

– Setembro
-No Ceará é assim

– Agosto
-Ava Gardner e o cantor cearense Carlos Augusto

– Agosto
-Velha República: O presidente que exibiu o corta jaca no Catete

– Julho
- Pulando a cerca

– Junho
- Lúcio Paco Brasileiro no Espaço e no Tempo

– Maio
- As “MENINAS” de Brasília
- Um cearense na guerra

– Abril
- As “MENINAS” de Brasília

– Maro
- Os Chefs Cearenses

– Fevereiro
- O melhor Rei Momo do Ceará

– Janeiro
- Vamos exibir nossa cultura, sem vergonha

> 2011

– Novembro
- Ubajara que o tempo levou
Setembro
- Pega Pinto: uma bebida que refrescava os fortalezense
Agosto
- Pra onde vamos?
Julho
- Julho em Ubajara
Junho
- História do Ceará
Junho
- Pise no chão devagar
Maio
- O inventor de talentos que alegrava a cidade
Maio
- Jornalista, que profissão!
Abril
- O balão que iluminou Fortaleza
Maro
- O defensor da Natureza
Fevereiro
- Quando se vê, não tem mais tempo
Janeiro
- Vaidade que mata

> 2010

Dezembro
- O Ano Novo e suas ameaças
Novembro
- Os jardineiros de Brasília
Outubro
- Quando se vê, não tem mais tempo
Setembro
- Vamos comer farinha
Agosto
- Cearense anônimo, mas nem tanto
Julho
- Vamos Repensar o DF
Junho
- Cearense anônimo, mas nem tanto
Junho
- A morte do Augusto Pontes, o homem que brincava com as palavras. Foi-se o guru.
Maio
- O Tempo do Rádio
Abril
- Fortaleza: bela e amada cidade
Março
- Um recanto dentro da noite
Fevereiro
- Vale cultura
Janeiro
- A ltima do Portugus

> 2009

Dezembro
- Um presente para Fernando
Novembro
- Da caserna para o livro
Outubro
- Falta Garçon
Setembro
- Cidade sem cara
Agosto
- De quem é a floresta amazônica?
Julho
- Memórias de Tarcísio – O Repórter
Junho
- Esperança negra
- Apagando a cidade
- Novo Dinheiro
Maio
- No escurinho do cinema


:: Veja Também ::

Blog do Ayrton Rocha
Blog do Edmilson Caminha
Blog do Presidente
Humor Negro & Branco Humor
Fernando Gurgel Filho
JB Serra e Gurgel
José Colombo de Souza Filho
José Jezer de Oliveira
Luciano Barreira
Lustosa da Costa
Regina Stella
Wilson Ibiapina
















SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte | Brasília-DF | CEP 70.790-100 | Fone: 3533-3800 | Whatsapp 61 995643484
E-mail: casadoceara@casadoceara.org.br
- Copyright@ - 2006/2007 - CASA DO CEARÁ EM BRASÍLIA -